Conservatória – Música e Café
Conhecimento e Curiosidades Dicas de Passeios

Conservatória – Música e Café

Rating Chart

Nota média de 0 baseada em 0 avaliações

  • Excelente
    0
  • Muito Bom
    0
  • Mediano
    0
  • Ruim
    0
  • Terrível
    0
Conservatória cresceu e prosperou durante o ciclo do café da economia brasileira, a partir do século XIX. O povoado, hoje distrito do município de Valença, foi um importante elo na produção e circulação do produto, abrigando mais de 100 fazendas que plantavam o café e o escoavam pelo antigo caminho ferroviário que vinha das Minas Gerais e ia para a Corte, na cidade do Rio de Janeiro, de onde seguia para o porto e outras cidades do país.

O nome “Conservatória” tem origem na tradição dos Índios Araris que ali viveram antes da chegada dos Colonizadores – a região era conhecida como “Conservatório dos índios”, um lugar de excelente clima e protegido por montanhas, onde os Araris se recolhiam para se recuperar de doenças que dizimavam as tribos.

Com a colonização, o povoado ganhou inicialmente o nome de Santo Antônio do Rio Bonito, em homenagem ao padroeiro da cidade e ao rio que atravessa a região. Mas a tradição dos índios falou mais alto, e o nome Conservatória ficou marcado para sempre. A prosperidade e riqueza vieram com a expansão da cultura do café, que utilizou largamente o trabalho escravo. As centenárias construções da vila, em estilo colonial, algumas do século XVIII, até hoje preservadas, evidenciam sua origem.

Serenata e paixão

Música e grandes paixões sempre estiveram de mãos dadas em Conservatória e geraram muitas histórias de amor. Certa vez, em 1938, Antonio Castello Branco, um abastado fazendeiro de Santa Isabel, distrito vizinho, que vivia uma paixão não correspondida por uma moça de Conservatória, resolveu demonstrar seu amor conforme a tradição. Colocou seu piano de cauda em cima de um caminhão e percorreu mais de 20 quilômetros em estrada de terra esburacada, só para tocar e cantar sob a janela da amada. Consta que o gesto deu resultado, e a moça aceitou o fazendeiro como esposo.

Música e Turismo

O fim do ciclo da agropecuária, nos anos 80, resultou na decadência da agricultura na região, e de algumas das centenárias fazendas da região. Algumas estão preservadas, outras mudaram sua atividade produtiva, mas a beleza do lugar, sua deslumbrante paisagem, composta por vales e cachoeiras, as relíquias históricas preservadas no tempo abriram outros caminhos de sucesso para Conservatória.

Conservatória sofre, como outras localidades do Estado do Rio de Janeiro, o problema do êxodo rural. Mas esse fenômeno não lhe traz grande abatimento econômico devido ao fluxo turístico, 90% do Rio de Janeiro e de São Paulo, atraído pela tranquilidade bucólica.

A tradicional serenata, realizada toda sexta-feira e sábado, partindo às 23h do Museu do Seresteiro e seguindo noite adentro, é o elemento nuclear das atrações musicais, que também incluem a Solarata (realizada nas manhãs de domingo) e as serestas (canto em espaços fechados) realizados em diferentes hotéis e pousadas. Os turistas são atraídos pela atmosfera romântico-musical das diferentes apresentações, hospedando-se nos hotéis e pousadas para poderem acompanhá-las. Geram, dessa forma fluxo de renda e consequente emprego de mão-de-obra local. Conservatória conta atualmente com mais de 2 mil leitos para atender os turistas, e esse fluxo exige uma qualificação maior de seus técnicos nas fazendas, hotéis, pousadas e restaurantes.

Quer conhecer visitar ou conhecer com maior profundidade a história de Conservatória, entre em contato com o Colega e  Guia de Turismo – Márcio “Barão”

Um abraço,
Helder Primo – Guia de Turismo

Artigos Relacionados

Você sabe o que é um “CARALHO”

Bandeirantes

Fazenda Jagoara Velha – Matozinho

Viva Santo Antônio

13 de maio – Abolição da Escravatura

DEIXE UM COMENTÁRIO

Helder Primo

Guia de Turismo que atua no segmento de ecoturismo, turismo histórico, turismo de aventura e turismo receptivo, desde 1998 e tem como compromisso melhorar continuadamente as opções de lazer para pessoas e empresas que querem vivenciar a mineiridade do nosso Estado.

INSTAGRAM