Vapor Benjamin Guimarães
Atrativos de Minas Gerais

Vapor Benjamin Guimarães

Ministério do Turismo e Secult assinam convênio para recuperação do vapor Benjamin Guimarães

Aporte de R$3,7 milhões está garantido pelo governo federal; anúncio foi feito durante cerimônia de abertura da Semana Nacional do Turismo, em Belo Horizonte

Uma das últimas embarcações movidas a lenha no mundo vai voltar a navegar nas águas do Rio São Francisco, em Minas Gerais: um convênio irá destinar R$3,7 milhões para a restauração do Benjamin Guimarães, vapor construído em 1913 e instalado no município de Pirapora, no Norte mineiro. O acordo foi firmado nesta terça-feira (3/12), pelo Ministério do Turismo, por meio do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), e pela Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult), por meio do Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (Iepha-MG).

O anúncio do investimento foi feito pelo ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, na abertura da Semana Nacional do Turismo, que aconteceu no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), equipamento pertencente ao Circuito Liberdade, em Belo Horizonte. A cerimônia contou, também, com a participação do governador de Minas Gerais, Romeu Zema, do secretário de Estado de Cultura e Turismo, Marcelo Matte, e da presidente do Iepha-MG, Michele Arroyo.

Ícone do turismo na região, o Benjamin Guimarães foi, durante décadas, o meio de transporte usado para levar cargas e passageiros no trecho entre Pirapora e Juazeiro, na Bahia. Com capacidade para transportar até 140 pessoas, entre tripulantes e passageiros, o vapor mantém suas características originais, mas está desativado desde 2014, quando foram identificados problemas estruturais que comprometeriam a segurança e colocariam em risco a vida humana. “É satisfatório assinar com o governo de Minas Gerais o convênio que garante o recurso de restauração de uma das embarcações a vapor que fizeram história no turismo brasileiro”, afirmou o ministro.

Com o aporte do governo federal, a previsão é de que a reforma dure cerca de 12 meses. Com o Benjamin pronto e de volta às águas do Velho Chico, a expectativa é de que este seja mais um fator para alavancar o turismo em Minas Gerais. “O que não falta nas terras mineiras é beleza para ser mostrada. Temos, literalmente, a faca e o queijo na mão. E os atrativos turísticos, como cidades históricas, natureza exuberante e, em breve, o retorno do Benjamin Guimarães, aliados à nossa gastronomia, representarão ainda mais avanços no turismo em Minas”, afirmou o governador Romeu Zema.

Os planos da Secult para o vapor Benjamin Guimarães vão além da restauração da estrutura física. De acordo com o secretário da pasta, Marcelo Matte, a intenção é de que a embarcação volte a ter as características que a tornaram um grande atrativo turístico no estado. “Pretendemos atuar em parceria com a prefeitura de Pirapora, responsável pela gestão do vapor, para viabilizar recursos para que o Benjamin volte a ser motivo de viagens à região, com oferta de Vesperatas durante a navegação, tripulação a caráter, entre outros importantes detalhes que fazem da viagem um roteiro turístico encantador”, esclareceu Matte.

Fonte: Secult/MG

Dicas

Artigos Relacionados

Sabará, Caeté e Serra da Piedade

Vilas de Ouro Preto – Estrada Real

Resplendor / MG (Trem e Bike)

Igreja Matriz de Nossa Senhora do Bom Sucesso – Caeté / MG

Serra da Piedade – Serra do Sabarabuçu

DEIXE UM COMENTÁRIO