Volta das Transições – Circuito Serras do Ibitipoca
Pedalando nas Minas Gerais

Volta das Transições – Circuito Serras do Ibitipoca

Lançado em 2016, o Cicloturismo – Volta das Transições representa a concretização do sonho
de muitas pessoas da região do Circuito Serras de Ibitipoca, engajados na execução do projeto
para o benefício de toda uma rede, envolvendo as comunidades, o trade turístico local e seus visitantes.
A Volta das Transições tem como objetivo de promover, de forma inclusiva, o desenvolvimento
econômico dos municípios associados, por meio da diversicação das atividades oferecidas
aos visitantes, através do esporte, proporcionando o aumento efetivo do uxo turístico na região.
Neste roteiro vamos desfrutar de belas Paisagens e muitas Cachoeiras. O percurso é feito por
trilhas, estradas de terra, sítios e fazendas.
São 9 dias de passeio, sendo 7 pedalando um total de 390 km, em um relevo acentuado
exigindo preparo físico e experiência do Cicloturista.

Roteiro detalhado:
1º dia:
06:00 – Encontro dos participantes em frente ao hotel, pousada, albergue, prédio publico ou
residência (ou Aeroporto) – Belo Horizonte – MG (ou Juiz de Fora).
– Acomodação das Bikes na carretinha e embarque no transporte com destino a Lima Duarte.
– Recepção dos participantes na pousada (simples, com banheiro no quarto, decoração rústica e ambiente agradável) em Lima Duarte.
– Reunião de orientação e organização dos equipamentos, bagagem e bicicletas, para a saída no dia seguinte.
– Noite livre…

2º dia:
– Café da manhã.
– Alongamento e início do Pedal (52 km) com destino a Bias Fortes.
– Começamos o passeio na sede de Lima Duarte, saindo do perímetro urbano através da estrada de terra para a Vila do Manejo, atravessando o Rio do Peixe nas proximidades da divisa entre os municípios de Lima Duarte e Pedro Teixeira e seguindo até a localidade do Tabuado. Adiante, depois de atravessar o rio Grão Mogol, no Trevo do Serrote, inicia-se um pequeno trecho de asfalto em perímetro urbano até o centro da cidade de Pedro Teixeira. O caminho segue em direção à sede do município de Bias Fortes, no sentido da Vila de Várzea de Santo Antônio, terminando na Pousada Rural Fazenda da Serra.
– Chegada a Bias Fortes e acomodação na pousada (simples, com banheiro no quarto, decoração rústica e ambiente agradável).
– Jantar.
– Noite livre…

3º dia:
– Café da manhã.
– Alongamento e início do Pedal (53 km) com destino a Ibertioga.
– O caminho segue em direção à Vila de Bom Jesus do Vermelho até alcançar a sede do município de Santa Rita de Ibitipoca. Após um pequeno trecho de asfalto, retorna-se à estrada de terra que leva ao lugarejo conhecido como Cruz da Moça, seguindo até a sede do município de Ibertioga.
– Chegada a Ibertioga e acomodação na pousada (simples, com banheiro no quarto, decoração
rústica e ambiente agradável).
– Jantar.
– Noite livre…

4º dia:
– Café da manhã.
– Alongamento e início do Pedal (65 km) com destino a Conceição do Ibitipoca.
– Partindo da sede do município de Ibertioga, o percurso segue por estrada asfaltada (MG-338),
passando pela Vila de Cachoeirinha e pela Vila do Pico, até a sede do município de Santana do
Garambéu. Deste ponto, o roteiro passa por estradas de terra, entre as localidades da Pedra Negra e do Jambeiro, seguindo por plantações de eucalipto e “campos altimontanos”, pelo Alto da Pindaíba, até alcançar a antiga escola rural do Alto da Boa Vista, de onde se segue no sentido à Vila de Conceição de Ibitipoca.
– Chegada a Conceição do Ibitipoca e acomodação na pousada (simples, com banheiro no
quarto, decoração rústica e ambiente agradável).
– Passeio (opcional) no Parque Estadual do Ibitipoca.
– Jantar.
– Noite livre…

5º dia:
– Café da manhã.
– Alongamento e início do Pedal (63 km) com destino a Bom Jardim de Minas.
– Iniciamos o passeio na Igreja Matriz do distrito de Conceição de Ibitipoca, percorrendo os antigos caminhos do ouro por onde passou o naturalista Saint-Hilaire e o trechos remanescentes do antigo Ramal Ferroviário Zona da Mata – Sul de Minas. Este trecho passa por diversos povoados e vilarejos, entre eles os Povoados de Rancharia, Várzea do Brumado, Palmital, trevo de São Domingos da Bocaina, Capoeira Grande e Dois Córregos. A alguns quilômetros do ponto final do percurso, o caminho segue pelas margens do Rio Grande, em uma região com cachoeiras e pontos para banho, até alcançar a sede do município de Bom Jardim de Minas.
– Chegada a Bom Jardim de Minas e acomodação na pousada (simples, com banheiro no quarto, decoração rústica e ambiente agradável).
– Jantar.
– Noite livre…

6º dia:
– Café da manhã.
– Alongamento e início do Pedal (45 km) com destino a Santa Rita do Jacutinga.
– Seguimos pela região de Milho Branco em direção à Serra das Torres. Passando por plantações de pinus e eucaliptos, pegamos a estrada para a Vila de Itaboca, de onde se inicia um trecho de trilha, com acesso ao Boqueirão da Mira, cachoeira famosa e importante atrativo turístico da região. A trilha contempla ainda a Cachoeira dos Meireles, antes de alcançar a Vila do Cruzeiro, onde se iniciam os quilômetros finais até o centro de Santa Rita de Jacutinga.
– Chegada a Santa Rita de Jacutinga e acomodação na pousada (simples, com banheiro no
quarto, decoração rústica e ambiente agradável).
– Jantar.
– Noite livre…

7º dia:
– Café da manhã.
– Alongamento e início do Pedal (54 km) com destino ao Vilarejo da Serra do Funil.
– Iniciamos o passeio no centro de Santa Rita de Jacutinga, partindo da antiga estação ferroviária e seguindo através das montanhas das zonas rurais por aproximadamente 9 km, até alcançar as margens mineiras do Rio Preto, nas proximidades da Cachoeira do Cardoso. A estrada de terra acompanha as margens do rio, passando pela Fazenda Santa Clara e pelos vilarejos de São Luiz do Rio Preto e São Pedro do Taguá, em direção à sede do município de Rio Preto. Na seguencia, o roteiro ascende em direção às regiões mais altas do município, passando pela Vila de Santo Antônio das Varejas até alcançar o Vilarejo da Serra do Funil, ponto final do nosso percurso.
– Chegada ao Vilarejo da Serra do Funil e acomodação na pousada (simples, com banheiro no
quarto, decoração rústica e ambiente agradável).
– Para quem tiver disposição, faremos uma pequena caminhada até a Gruta do Funil.
– Jantar.
– Noite livre…

8º dia:
– Café da manhã.
– Alongamento e início do Pedal (53 km) com destino a Lima Duarte.
– O caminho segue em sentido ascendente, passando pelo povoado da Encruzilhada e continuando por entre pequenas propriedades rurais, até atravessar as montanhas da Serra Negra, a mais de 1.200m de altitude. Neste ponto, inicia-se a descida da região da Serra dos Flores, através da Estrada das Voltas, de onde avista-se, ao longe, o Pico do Pão de Angu. Ao final da descida, cruza-se a BR-267, por estrada asfaltada, em direção à sede do município de Olaria. Saindo de Olaria, no caminho para a Vila de Cachoeira de São Bento, a estrada de terra percorre o trajeto da extinta malha ferroviária conhecida como Estrada dos Cortes, até a sede do município de Lima Duarte.
– Chegada a Lima Duarte (Banho e Almoço)
– Embarque no transporte para retorno a Belo Horizonte (ou Juiz de Fora).
– Chegada a Belo Horizonte.

Investimento por pessoa: R$ 2.390,00
Incluso: transporte (ciclistas e bicicletas), 7 noites em pousada, 7 cafés da manhã, 7 refeições, carro de apoio com água e frutas, transporte da bagagem, certificado, seguro, apoio mecânico e BikerGuia.

Próxima data confirmada: 22 a 30 de outubro de 2022
Clique aqui, faça a sua inscrição e escolha a forma de pagamento

Clique aqui e assista um vídeo dessa Cicloviagem

 Dicas:
– Durante os passeios é obrigatório usar: capacete, luvas, óculos, camiseta e bermuda justa;
– Os participantes devem levar uma pequena mochila ou alforje com objetos pessoais, alimentos leves suficientes para todo o passeio, água, uma lanterna, uma câmera de ar, power link para a sua corrente, um canivete pequeno, medicamentos de uso pessoal e uma muda de roupa extra;
– A alimentação ideal para os passeios é: sanduíches naturais, frutas, chocolates, biscoitos, bebidas isotônicas, água e produtos energéticos;
– Aconselhamos levar ainda, celular para fotos e vídeos, bateria extra, protetor solar e um bom agasalho para o se proteger do frio.

Observações:
– Este passeio acontece em qualquer época do ano, com no mínimo 5 pessoas;
– Passeio indicado para pessoas que gostam de praticar atividades em contato com a
natureza, já tenham experiência em pedalar, sejam amantes das “magrelas” e curtem superar
grandes desafios;
– Durante todo o passeio, haverá apoio mecânico e carro de apoio que fará o transporte das
mochilas, fornecerá lanche, água e frutas;
– Caso tenha outras dúvidas, entre em contato.

NÃO DEIXE DE REVISAR A SUA BIKE ANTES DE INICIAR O PASSEIO

Bora Pedalar!🚵‍♀️🚵‍♂️

Artigos Relacionados

Caminho Velho – Ouro Preto a Carrancas – Estrada Real

Desafio Trilha Verde – 115 km – Diamantina a Santo Hipólito

Caminho da Fé – Águas da Prata a Aparecida

Trilha Verde da Maria Fumaça – Diamantina, Cachoeira do Telésforo e Santo Hipólito

Caminho Velho – Carrancas a Paraty – Estrada Real