“Descobrimento do Brasil”
Guia de Turismo

“Descobrimento do Brasil”

Rating Chart

Nota média de 0 baseada em 0 avaliações

  • Excelente
    0
  • Muito Bom
    0
  • Mediano
    0
  • Ruim
    0
  • Terrível
    0
dia 22 de abril é marcado no Brasil como o dia em que os portugueses chegaram ao nosso território pela primeira vez. Esse acontecimento é conhecido como “descobrimento do Brasil”, mas os historiadores preferem outras abordagens ao dia, como “chegada dos portugueses” ou “achamento do Brasil”.

Esse acontecimento é um marco porque, de uma certa forma, deu início à exploração colonial do nosso território, ainda que muito lentamente. O descobrimento do Brasil já foi comemorado aqui no dia 3 de maio, devido a uma interpretação errônea. Até 1930, sua data era considerada feriado nacional, mas deixou de sê-lo por meio de uma lei.

Contexto

A chegada dos portugueses ao Brasil está inserida no contexto das grandes navegações, realizadas pioneiramente por portugueses, e depois pelos espanhóis, ao longo dos séculos XV e XVI. Por grandes navegações, referimo-nos às expedições marítimas realizadas por essas duas nações, ao longo desses dois séculos, e que resultaram na exploração dos oceanos, sobretudo do Atlântico.

Portugal foi o pioneiro nesse processo, e isso se deve ao fato de que o país tinha as condições políticaseconômicas e comerciais que possibilitaram o investimento no desenvolvimento náutico. Politicamente, Portugal era um país estável, uma vez que possuía uma dinastia consolidada e um território unificado.

Essa estabilidade política permitiu a utilização de recursos econômicos no desenvolvimento tecnológico, que viabilizou melhorias na área da navegação. Comercialmente falando, a localização de Lisboa tornava-a um centro importante para rotas de comércio, por seu fácil acesso às correntes marítimas.

Por fim, o fechamento da rota para o Oriente, após a conquista de Constantinopla pelos otomanos, em 1453, acabou sendo um impulso decisivo para as navegações marítimas. Era necessário, então, encontrar novas rotas para garantir o acesso às valiosas mercadorias disponíveis no Oriente. Essas novas rotas vieram com a exploração oceânica.

Em 1492, os espanhóis chegaram ao continente americano por meio da expedição de Cristóvão Colombo. Dois anos depois, espanhóis e portugueses, apoiados pela Igreja, chegaram a um acordo conhecido como Tratado de Tordesilhas, que determinava a divisão das novas terras a oeste entre portugueses e espanhóis. Os portugueses, no entanto, ainda não haviam alcançado terras tão a oeste assim, e, portanto, era necessário uma expedição para comprovar a existência delas.

O português Pedro Álvares Cabral foi escolhido para liderar uma expedição que teria como destino final a cidade de Calicute, na Índia. O objetivo era adquirir as famosas especiarias, mercadorias valiosíssimas no mercado europeu. A expedição portuguesa contava com 13 embarcações, sendo 10 naus e três caravelas, que continham 1200 tripulantes.

A expedição de Cabral zarpou de Lisboa, no dia 9 de março de 1500, e tomou uma rota não usual para expedições que iam para Índia. Os historiadores argumentam que as expedições portuguesas que iam para a Índia navegavam bem próximo à costa africana. A expedição de Cabral, por sua vez, seguiu na direção do arquipélago Cabo Verde, portanto, mais distante da costa. Isso pode sugerir uma certa intencionalidade dos portugueses em aproximar-se do continente americano. A chegada em Cabo Verde deu-se em 22 de março de 1500, e, alguns dias depois, em 9 de abril, os navios da expedição cruzaram a Linha do Equador. Em 21 de abril, os membros da expedição avistaram sinais de terra, e, no dia seguinte, 22 de abril, foi avistado o monte Pascoal, na região de Cabrália, Bahia.

No dia seguinte, Cabral autorizou o envio de um pequeno grupamento de homens para a terra, e lá eles tiveram o contato com os nativos. Esse contato foi pacífico, e o relato feito pelo escrivão da expedição, Pero Vaz de Caminha, fala que os indígenas “eram pardos, todos nus, sem coisa alguma que lhes cobrisse as suas vergonhas”.

Data do descobrimento

Retomando a Carta de Caminha, há um dado interessante relacionado a ela, pois trata-se do principal documento que prova o dia exato do descobrimento do Brasil por Cabral. Acontece que, até 1817, não se sabia de sua existência, ou melhor, havia o rumor de que ela estaria perdida entre a vasta documentação histórica do Império Português, mas ninguém havia a encontrado até então.

Sendo assim, um historiador português do século XVI, Gaspar Correia (1495-1561), supôs que Cabral havia chegado ao Brasil no dia 3 de maio de 1500, e não em 22 de abril. Isso porque o nome dado à terra, quando pisaram em solo baiano, foi Terra de Vera Cruz. O rei português, d. Manoel I, alterou o nome das “novas terras” para Terra de Santa Cruz, por conta de uma comemoração religiosa.

Essa festa religiosa realizada em Portugal era dedicada à Santa Cruz e acontecia no dia 3 de maio. Isso levou o historiador Gaspar Correia a deduzir que a chegada dos portugueses ao Brasil teria acontecido na mesma data da festa. Essa tese estabeleceu-se e permaneceu como verdade durante quase três séculos. Entretanto, em 1817, a Carta de Caminha foi descoberta pelo padre Manuel de Aires de Casal, que investigava, no Brasil do Período Joanino, os documentos dos arquivos régios. Essa descoberta invalidou a hipótese de Correia, e, desde então, tornou-se conhecimento que a chegada dos portugueses ao território brasileiro deu-se no dia 22 de abril.

Fonte: https://mundoeducacao.bol.uol.com.br/

Um abraço,
Helder Primo – Guia de Turismo

Artigos Relacionados

Leonardo da Vinci

Perspectivas de Trabalho para o Guia de Turismo pós COVID-19

Impactos da COVID-19 na atividade do Guia de Turismo

Museu da Inquisição e Lagoa da Pampulha

Mídia Social – Instragram

DEIXE UM COMENTÁRIO

Helder Primo

Guia de Turismo que atua no segmento de ecoturismo, turismo histórico, turismo de aventura e turismo receptivo, desde 1998 e tem como compromisso melhorar continuadamente as opções de lazer para pessoas e empresas que querem vivenciar a mineiridade do nosso Estado.

INSTAGRAM